O TEMPO É TUDO, PELO MENOS POR ALGUM TEMPO. (By Iussef Zaiden)

clock2O que é tempo? Ninguém sabe exatamente. Mas sabemos alguma coisa sobre o tempo. Sabemos, por exemplo, que ele parece acelerar-se quando envelhecemos. Também sabemos que as coisas deste mundo e do universo que o contém existem e de algum modo definem o espaço-tempo, cuja geometria e dimensões exatas ainda não sabemos, ou não são claras para nós. Alguns acreditam, que certas coisas, talvez as idéias, a consciência e as almas, podem de algum jeito existir fora do nosso espaço tempo, mas nós, como seres corpóreos, estamos, em parte, presos dentro dele. A própria vida, quer tenha sido criada, quer seja acidental, é um fenômeno totalmente improvável. Mas aqui está ela mesmo assim e, enquanto estamos vivos, sentimos boa parte da vida através do espaço-tempo.

Mas nossas experiências de espaço e de tempo são bastante distintas. Mas os seres humanos costumam encontrar maneiras de virar exceções de todas a regras postuladas a seu respeito. Em geral, as pessoas que vivem apinhadas sentem muito estresse, enquanto aquelas que têm bastante espaço vital são muito mais felizes e amigáveis. Mais uma vez, Alexandre o Grande, e Marin Mersenne são ambos, exceções brilhantes desta regra. Depois de conquistar o mundo conhecido, do Mediterrâneo ao Himalaia, dizem que Alexandre chorou porque não tinha mais mundos a conquistar. Ficou sem espaço vital! Em contraste, é possível sentir a libertação nos limites restritos de uma cela, como o monge-filósofo Mersenne. Pertencia à ordem dos mínimos, dedicada à oração, ao estudo e ao conhecimento. Isso não ocupa muito espaço. Mas os estudos de matemática, física e filosofia de Mersenne eram tão importantes que os maiores intelectos franceses da época, como Fermat, Pascal, Gassendi, Roberval e Baeaugrand, reuniam-se regularmente em sua cela para promover o projeto iluminista. Mais tarde, tornaram-se o núcleo da Academia Francesa (e, possivelmente, inspiraram a cena dos irmãos Marx na cabine lotada, em Uma noite na ópera). Assim, nosso conceito de exatamente “quanto espaço” é adequado para os seres humanos é bastante elástico. Se você “fica sem espaço”, sempre pode tentar conseguir mais (a menos que conquiste o mundo). Precisa-se ocupar menos espaço, em geral pode consegui-lo e talvez até prosperar.

O tempo é uma coisa completamente diferente. Quando se fica sem tempo, não tem jeito. Pode-se tentar prolongar o tempo, mas também parece haver muitíssimas maneiras de encurtá-lo, sejam intencionais, não intencionais ou acidentais. É possível usar o tempo para ganhar mais dinheiro, mas o dinheiro não vai lhe comprar mais tempo com a mesma certeza. O seu tempo ou o meu tempo podem estar á venda, mas o tempo propriamente dito não está. Assim, o tempo é nosso patrimônio mais precioso, e como decidimos usá-lo é a decisão mais importante que podemos tomar.

“Em qualquer clima, a qualquer hora do dia ou da noite, andei ansioso para aprimorar a marca do tempo e registrá-lo também em meu bastão; para ficar no encontro de duas eternidades, o passado e o futuro, que é exatamente o momento presente”.

Henry David Thoreau

2 Respostas

  1. Costumam sempre colocar o Tempo como vilão da história. Entretanto, muitas vezes, a questão não é a falta dele, mas sim, o excesso de atividades que desenvolvemos. Precisamos utilizar o Tempo a nosso favor, focalizando tarefas realmene importantes.

    Abraços.

  2. Esse vídeo trata da efemeridade da vida de uma maneira interessante, achei que fosse válido compartilhá-lo por aqui.

Responder

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 363 outros seguidores